Páginas

Clique aqui e acesse!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Bahia registra quase 3 mil casos de violência contra a criança e o adolescente até agosto

Tribuna da Bahia

A violência contra crianças e adolescentes é responsável por 13% das internações hospitalares, sendo causa primária ou secundária. Os dados são do Hospital da Criança das Obras Sociais de Irmã Dulce (Osid). Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (Diretoria de Informação em Saúde – DIS)/ Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), até o mês de agosto foram registrados 2.912 casos de violência no estado contra crianças e adolescentes. A agressão física lidera as ocorrências, sendo seguida da agressão psíquica/moral, sexual e negligência/abandono.

Os dados sobre a violência no estado, bem como a sua forma de manifestação e a importância do pediatra como agente capaz de incentivar a prevenção e identificar as agressões (inclusive fazendo notificações), estão entre os destaques do 35º Congresso Brasileiro de Pediatria, que acontece até esta quarta-feira (12 de outubro), no Centro de Convenções da Bahia, promovido pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e Sociedade Baiana de Pediatria (Sobape).

As discussões destacam a importância do papel do pediatra que, a partir da observação em consultório, é um agente importante na prevenção e na identificação de casos de violência contra crianças. Desde 2000, a Sociedade Brasileira de Pediatria lança anualmente campanhas contra a violência. As peças da edição 2011 da campanha permanente serão apresentadas durante o congresso e têm como slogan: “Violência é covardia. As marcas ficam na sociedade”.

Segundo a pediatra Célia Silvany (BA), pesquisadora do assunto e membro do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente da SBP, a questão da violência continua chamando bastante a atenção dos pediatras e profissionais que atuam na defesa da criança e do adolescente e a subnotificação ainda é um entrave à diminuição das estatísticas.

“Estamos acostumados com alguns tipos mais comuns de violência, mas precisamos estar atentos à forma silenciosa, de origem psicológica, que é a mais difícil de ser identificada”, destaca, lembrando que as crianças portadoras de deficiência estão mais sujeitas à violência.

Lei da Alienação Parental

Célia Silvany, coordenadora de Ensino em Pediatria das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), diz que um dos avanços na área foi a sanção da Lei de Alienação Parental, em agosto de 2010, que visa a proteger a criança e o adolescente de manipulações contra o (a) genitor (a).

A expressão “Síndrome da Alienação Parental” foi cunhada por Richard Gardner, psiquiatra americano, em 1985, para a qual sugeriu a seguinte definição: “A Síndrome da Alienação Parental é uma desordem que se origina essencialmente do contexto da disputa pela guarda dos filhos. Sua primeira manifestação é a campanha de denegrir um genitor, uma campanha que não possui qualquer justificativa…”

Violência contra crianças e adolescentes
Bahia – Janeiro a agosto de 2011

Tipo de violência Número de casos
Abuso físico
1.969
Abuso psíquico/moral
570
Abuso sexual
271
Negligência/abandono
102
TOTAL
2.912
 
Por: Blog da Resenha Geral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.

.

.

.